E a cabecinha, como anda??

09 fevereiro 2012



Uma das inúmeras coisas que percebi após a minha cirurgia, é a importância da ajuda psicológica no decorrer do processo de emagrecimento e  na manutenção da meta alcançada.
Antes da cirurgia, eu usava a compulsão alimentar como um "calmante" para algumas tristezas, frustrações, ou algum projeto não realizado.
Hoje, não tenho mais como usar este "calmante", pois tenho um estômago que é 1/3 do que era antes da cirurgia.
Não adianta querer aliviar minhas tensões, nem amenizar meus sofrimentos comendo, me lembro até mesmo de  uma conversa que meu ortopedista teve comigo, antes de me dar seu parecer favorável...
Ele me disse que ninguém poderia passar a vida comendo e vomitando e que se eu não estivesse preparada para o que estaria por vir, seria esta a minha nova realidade.
Disse também, que poderia haver até uma troca de compulsão, caso eu não administrasse bem, as mudanças pelas quais estava prestes a passar.
Confesso a vocês, que não fiz nenhum acompanhamento psicológico antes, e nem faço hoje.
Trabalhei muito bem o meu emocional, estava firme e decidida no meu propósito e naturalmente fui me preparando.
É  claro que passei por entrevista com uma excelente psiquiatra, assisti à algumas reuniões da CVE (Clinica Cirurgica Video Endoscópica - Que é onde atende o meu médico), mas nada muito específico, a ponto de dizer que era um preparo psicológico pré operatório...
Li muito durante todo o processo e escrevi muito, acho que isso também foi um fator importantíssimo, já que no papel, externei todas as minhas emoções, e depois, relendo, me preparei para elas.
Consegui administrar bem o medo, as várias fases de transições que passamos depois da cirurgia, e por incrível que pareça, enfrentei bem, até algumas intercorrências que tive.
Amadureci muito, e hoje, ao ouvir das pessoas que me preparei muito bem emocionalmente, mesmo sabendo que poderia ter feito melhor, que poderia ter tido um melhor acompanhamento psicológico, sinto que não pulei nenhuma etapa e isso fez toda a diferença.
Não vivo vomitando, como o doutor me advertiu, pelo contrário, só vomito se passo mal, as vezes por comer rápido demais, por me esquecer de mastigar corretamente, com a vida corrida que se leva hoje em dia, acaba acontecendo as vezes.
Nunca passei mal por comer além do limite tolerado, esta foi uma das primeiras lições que aprendi... Respeitar meus limites.
Também não troquei minha compulsão alimentar, por nenhum outro vício.Não bebo, não fumo, não faço uso de nenhum tipo de droga, não desconto meus problemas nas compras, nem em sexo ou internet.
Aprendi uma coisa que por si só, fez valer todo o sacrifício... Uma coisa pela qual valeria a pena, e eu passaria por tudo novamente.
A prendi a resolver meus problemas!! A enfrentá-los, a não me esconder deles...
Se eu fosse madura o suficiente para ter feito isso antes, talvez nunca tivesse sequer atingido a obesidade.
Mas como sempre menciono aqui, tiro proveito de tudo, e uso todas as situações, sejam elas boas ou ruins, a favor do meu crescimento.
Aconselho a todos que pretendam passar pela cirurgia, a se prepararem para ela, da melhor forma possível, pois é isso que garantirá o sucesso a longo prazo!!
Top comentarista valendo gente!!!!!!!!!!!
bjs

Comentários
12 Comentários

12 Comentários:

Smiley disse...

Oi linda!
Conseguiste algo q nem sempre se consegue sózinho, o equilibrio! Algo muito importante nas nossas vidas.
Obrigada pelo teu apoio no meu cantinho. Confirmo que arranjei as unhas e tenho-me maquilhado diariamente antes de sair de casa, o q raramente acontecia...
Bj

Taiane disse...

além da ajuda médica o melhor tratamento é a nosaa cabeça, estar certa de que é a cirurgia será a solucução na minha vida, está certo que vou ter que mudar meu estilo de vida e que eu sou a operada e vou ter que aprender ver o outro comer e eu não....Graça a Deus essa parte não me afeta!!!!
eu vou fazer 4 meses de operada sábado e tb nunca passei mal pq comi de mais ou comi algo errado, não estou tão anciosa como antes e principalmento sigo a risca o que o médico e a nutri fala, afinal a cirurgia é um processo de risco e não passei por ele para chegar agora e colocar tudo a perder!!!!

Carla disse...

Oi Bom dia Luzinha, amiga hoje só passei pra te deixar um beijo, não li o post, mais prometo amanhã voltar e ler o atrasado, hoje aqui tá corrido, beijossss.

Fabiana disse...

Abordou um tema polêmico... Isso infelizmente é um mau que nós operados nos deparamos... por isso a importância da terapia!!!! Amei seu texto amiga... como sempre explicativos e importantíssimos para nós!!!

Fabiana disse...

É bom dizer que larguei a comida... porém voltei com o cigarro e a bebida... e isso não é bom! Vou procurar ajuda psicológica, já faço psiquiátrica... Esse texto serviu para mim!!!!!

míriam disse...

muito bom o post,na verdade se não tivermos uma ajuda psicológica fica um pouco difícil lidar com toda essa mudança após a gastroplastia,mas temos sim se nescessário procurar essa ajuda para não pormos tudo a perder...

Nanda Reis disse...

Flor.. realmente a nossa cabeça é que manda nesse processo todo.. pois se ela não tiver preparada.. melhor mesmo não fazer a cirurgia.. Eu agradeço muito a Deus por ter me dado a chance de me preparar, não foi com ajuda profissional (psico).. mas foi com ajuda das borboletas do grupo, com ajuda desde blog que leio desde o dia que saí do consultório do primeiro médico cirurgião que fui.. e só depois de sentar e ler bastante... tomei a decisão de operar.. desde então.. preparei bastante a minha cabeça para a cirurgia.. conversando muito e lendo muito também... graças a Deus.. hoje estou aqui.. no caminho certo.. eliminando peso e ganhando saúde.. e a cabeça.. apesar das "irritações e perda de paciência" está indo bem.. nunca passei mal de vômitos nem por entalo nem por comer além da conta.. como muitos diziam que eu ia viver vomitando.. pois quem faz essa cirurgia vive passando mal.. Povo mal informado né.. então.. se eu tivesse dado ouvidos a esse povo.. estava eu com não sei quantos kg a mais hoje.. e perdendo a oportunidade de ser feliz e ter saúde!!!
Parabéns pelo post de hoje.. tema super importante viu.. bjs

Juliane disse...

O problema de não nos prepararmos para as transformações que estão por vir é de realemente trocar de compulsões, que de antes era comida, por outras como cigarro, bebida, jogos, etc. Por isso da importancia não só de uma equipe multidisciplinar boa, mas de auto-preparo... Adorei o post ... bjk

Anônimo disse...

Lu,
Eu não fiz acompanhamento psicológico, apenas as entrevistas com o psiquiatra para liberação de laudos.Mas estava super preparada para fazer a cirurgia e para as futuras mudanças porque demorei 02 anos pesquisando, analisando, conhecendo pessoalmente casos de sucessos e caso de pessoa que ntb não obtiveram, até uma pessoa proxima do ramo de trabalho falecida me fez pensar muito.Digo pra todos, é importantíssimo trabalhar o lado emocional, pois a cada dia mais e mais venhos casos de desequilibrio neste mundo gastro.
A cirurgia é apenas uma excelente ferramenta e o sucesso é de toda a equipe de acompanhamento e você principalmente.
Ótimo texto.
Grande beijo.

keikede disse...

Adorei o assunto de hj,mais penso como gorda ainda,não sei comer direito,eu achei que a cirurgia ia resolver minha obesidade,só que agora que estou aprendendo que tudo depende de mim tbm..Adoro seu blog cada dia aprendo mais com suas palavras..bjs

Bruna Ellen disse...

Oi Lu, adorei o post. Lendo percebo que preciso além de um psicologo, de uma boa nutricionista, para me dizer se o que eu to comendo tá certo. Estou indignada com a nutricionista que eu fui, péssima, nem sequer me dá um papel dizendo o que posso comer. Isso tá me deixando neurótica.
Peço ajuda de vocês para me indicar uma nutricionista, mas, uma nutricionista boa!

Desculpa o desabafo lu!!! bjos

Unknown disse...

Graças a Deus me sinto preparada. Fiz o curso da Unimed Preventiva e até foi legal, mas pra ser sincera já venho me preparando há muuuuuito tempo.
Isso é o que eu mais quero na vida!!!!

Bjs!!!!!!!

^
© Gastro Feliz |2014. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Karina Enésio.
imagem-logo