Alguém aí sobrevive apenas de fé?

16 agosto 2015

Poisé, minha gente... Às portas de completar cinco anos de cirurgia e as pessoas ainda acham que vivo de fazer cruz na boca. Que os bariatrizados não comem nunca mais, que a cirurgia bariátrica nos torna extra terrestres.
No início eu tinha muita paciência, ficava explicando e re-explicando que cirurgia não faz milagre, que diminuindo o estômago, apenas diminui o volume tolerado por ele, que sentimos fome como se não fôssemos operados, que o que muda é a quantidade necessária para proporcionar saciedade e tal. Aquela velha história...
Acontece que o tempo passa, as pessoas mudam, as prioridades mudam e a paciência diminui. Acho que no meu caso ela foi exterminada.
Uma pessoa que nunca ouviu falar em redução de estômago pode e deve fazer todas as perguntas possíveis e cabíveis, sim. E eu respondo com toda boa vontade.
Agora, esse papinho de quem convive comigo diariamente ou lê tudo o que escrevo, vir me perguntar se como isso ou aquilo. Se POSSO comer isso ou aquilo... Ahhh isso cansa!! Outro dia uma leitora, dessas que acabaram se tornando amigas e com quem sempre mantenho contato me disse indignada, que foi questionada sobre algo parecido.
"Lu, só porque estou na TPM e procurei um chocolate, a pessoa vem me dizer que se sendo operada como desse jeito, imagina se não fosse!"
É verdade, gente! As pessoas são ignorantes a ponto de achar que quem opera o estômago não come!
Olha, tinha muito tempo que eu não fazia um post assim, deixando transparecer que fui educada nas estrebarias de Sorbonne, mas só sei ser eu mesma. Só sou feliz sendo eu mesma. Não me peçam o contrário!
Eu prefiro ser anti social do que hipócrita!
Muitos dizem que sou brava. Não sou! Apenas falo o que penso sem meias palavras pois acho que é desnecessário. Não tenho tempo pra ficar floreando e quando se floreia, se passa a mão na cabeça, as pessoas costumam não entender.
Eu como sim! DE TUDO. Antes de operar eu comia tudo. Gordo come tudo. Se fizesse uso da preposição "DE" e comesse DE tudo, ao invés de comer tudo, seria magro. A verdade é essa.
Aprendi muito nesses cinco anos. Aprendi a usar a ferramenta que tenho a meu favor. Li atentamente o manual de instruções do equipamento que comprei e por isso, apenas por isso, usufruo do seu melhor funcionamento.
As pessoas não querem abrir mão de nada, não querem se privar de nada e vem me dizer que operaram para ter vida normal. É.... Talvez no mundinho delas, se entupir de comida é ter vida normal. Não caber em uma roupa, é ter vida normal. Ser ponto de referência na rua é ter vida normal. Não conseguir sequer enxergar ou fazer a higiene adequada das próprias partes íntimas, é ter vida normal... Bem... Quando eu vivia assim, não me considerava normal, pois para mim uma pessoa que vive triste e infeliz não é uma pessoa normal. Tem algo de errado com ela. No meu caso a gordura era esse algo de errado. Cada um faz suas próprias escolhas e eu escolhi priorizar a minha saúde. Não só física, pois eu era uma gorda até saudável, mas a emocional... Ahhh, essa sempre esteve prejudicada!!
Então é isso...
Como sim. DE tudo o que gosto! Amo comer, mas não exagero em nada! Aprecio muito, uma comidinha bem feita. Mas como, o suficiente pra nutrir meu corpo, exatamente como deve ser. Mais que de comer, gosto de ser magra! Amo ter saúde, dormir deitada, não quase morrer sufocada por subir um morrinho... Amo a vida que tenho hoje!
Fui grossa na postagem? Minha intenção não é escandalizar, mas mostrar que só iremos colher frutos daquilo que plantarmos! O que passar disso é engano!
Comentários
0 Comentários

0 Comentários:

^
© Gastro Feliz |2014. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Karina Enésio.
imagem-logo