Uma RE postagem, atendendo à pedidos. Me despindo de mim mesma!

01 setembro 2015

Poisé gente, estou com quatro anos e nove meses (quando escrevi o post tinha 3 anos e 4 meses) de redução de estômago e todos os dias louvo a Deus por ter me sustentado, naquela decisão tão importante.
Sou muito feliz por ter feito a escolha mais acertada no momento oportuno e com isso ter tido à oportunidade de renascer para uma nova vida.
Saudável e digna, vale dizer, pois a obesidade nos leva até mesmo a dignidade, já que naquele estado deplorável de quilos e mais quilos em excesso, nem uma roupa conseguimos comprar.
Chegamos ao fundo do poço, de onde não temos nem vontade de sair.
Sofremos desde preconceito e humilhação que em 90% dos casos começa dentro de casa, até desrespeito nas ruas, escolas, trabalho e acreditem ou não, em hospitais e consultórios médicos, que vendem a imagem da sáude, mas não compram a nossa causa.
Eu poderia fazer uma postagem gigantesca com direito a pesquisas no google para enriquecer o texto com palavras difíceis, poderia citar artigos médicos, poderia até mesmo entrevistar pessoas para aumentar o ibope, mas prefiro ser como sempre fui e dizer apenas o que penso e o que sinto.
Aos que se sentem ofendidos com a verdade dos temas que abordo, digo que este é o momento de sair da página, pois não fico medindo palavras para falar de mim...
Gente, a minha vida de gorda era deprimente.
Eu não sentia prazer em nada, só dizia que sentia para não  ficar por baixo.
Era sempre a protagonista das minhas próprias piadas, assim parecia que  achava graça da minha própria situação e me sentia menos humilhada.
Não usava as roupas que gostava, usava as roupas que serviam.
Não caminhava... Empurrava com a barriga.
Não fazia sexo, cumpria obrigações conjugais.
Não tinha saúde, cada dia era uma ziquizira diferente.
O corpo? Glória a Deus por não ter nenhuma deficiência, mas era tudo despencado!
Peito lá no joelho, banha pra tudo enquanto é lado, bunda gigante que mais parecia uma cadeira pregada nas costas, um rosto deformado no qual eu não me enxergava...
Nunca tive corpo bonitinho, nem na adolescência! Sempre uma coisa estranha, sem forma definida.
Aquilo não era vida.... Não mesmo!! Não a vida que sempre sonhei e julguei merecer!
Hoje sou magrinha e tenho tudo no lugar!! Bendita seja a cirurgia bariátrica e as cirurgias plásticas!!
Benditos sejam o Doutor Hêmerson Paul e o Doutor Gustavo Goular!!!
Hoje ainda há quem diga que peguei atalho por ter operado!! Pois se peguei, fiz o certo! Melhor do que ficar levando uma vida ruim, de mulher amargurada e mal amada, que era como eu me sentia...
Hoje sou feliz demais! Cheia de problemas como todo mundo! Mas também cheia de saúde, de vontade de viver, de disposição para resolver as mazelas do dia a dia.
Hoje trabalho, estudo, cuido de mim, da minha casa e da minha família por prazer, e não por obrigação!!
Então gente deixo um conselho, seja com cirurgia, com métodos menos agressivos ou eficazes, com reeducação alimentar...
Tentem emagrecer, ficarem livres da obesidade, fazerem algo por vocês... (Ainda me lembro da minha cunhada morta aos 26 anos e 302 quilos, na maca do necrotério, a pior cena que já presenciei na vida)
Fico tão triste com ódio quando venho aqui na página e encontro esses anúncios de picaretas de internet, oferecendo anfetaminas para pegar carona nos meus leitores...
Peço para que vocês não caiam nisso, mas não por mim...
Por vocês!!
Eu amo ser magra!! Desejo isso pra cada um que se identificou com meu desabafo acima. Nunca fui tão sincera, honesta e nem me expus tanto a vocês!
bjosss
Comentários
0 Comentários

0 Comentários:

^
© Gastro Feliz |2014. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Karina Enésio.
imagem-logo