Cirurgia Bariátrica e Bebida... Uma combinação que não combina!

14 dezembro 2021

 

Será que vale mesmo à pena se sujeitar a uma troca de vícios, ou, à uma troca de doenças? Até que ponto iremos negligenciar que a Obesidade é uma doença de tratamento complexo? Seguir as orientações de toda a equipe interdisciplinar, é a única forma de se manter no controle. Mas se o paciente some das consultas, como irá receber as orientações? Muitos aderem aos grupos de WhatsApp e redes sociais, e seguem “conselhos de comadres”! Acontece que tratamento sério, não acontece assim. E no fim das contas, é a saúde quem paga a conta. Tratamento sério só ocorre quando o paciente tem consciência de si enquanto doente e adere ao tratamento mais indicado, de maneira adequada. Os profissionais não podem ajudar quem não quer ser ajudado!

Responsabilize-se, por suas escolhas!

Toda decisão envolve consequências. Quando uma pessoa escolhe cuidar da sua Obesidade através da Cirurgia Bariátrica, precisa entender que sua vida deve mudar. A comida não poderá mais ser a companheira de todas as horas, mas de alguma forma será preciso lidar com a compulsão. Quem tem obesidade carrega consigo um histórico de compulsão e abusos alimentares, que facilmente é substituído por outro objeto depois da cirurgia. O bisturi modifica a anatomia, faz caber menos comida, mas não trata o transtorno alimentar. É por esse motivo que pacientes sem acompanhamento psicológico tendem a ter reganho de peso e troca de vícios. Ao optar pela intervenção cirúrgica, o doente deve abrir mão de muitas coisas e nem sempre está disposto a isso. Então… enquanto consegue a cirurgia ajuda. Mas depois de algum tempo, pessoas engordando novamente ou alcoolizadas por aí (entre outros acontecimentos), é o que ocorre frequentemente. Cuidar da saúde com Cirurgia Bariátrica, exige querer estar bem de forma integral, caso contrário será só uma troca de doença!

Obesidade dói. No corpo e na alma!

11 dezembro 2021



Pessoas com obesidade sentem dores horríveis em todo o corpo. Pés e tornozelos são responsáveis por sustentar tudo acima deles, e são pressionados pelo peso. A coluna grita por socorro. O coração precisa trabalhar muito mais, para bombear o sangue de maneira suficiente para manter o indivíduo vivo. O peso excessivo faz com que a pessoa esteja sempre cansada e sem energia. Por mais “animada” e bem disposta que a pessoa pareça, ou tente se mostrar, no fim de um dia corrido é só ela e ela mesma… Pessoas com Obesidade se sentem muito mais exaustas depois de um dia de trabalho, do que as que não tem essa doença, fazendo as mesmas atividades. Rins, fígado, pâncreas… Por mais que a pessoa ache que está tudo bem, a verdade é que não está! Ou não estará por muito tempo. “Obesos saudáveis”, são na verdade, apenas *metabolicamente* saudáveis, o que significa que em algum momento as doenças decorrentes da Obesidade virão à tona! Diabetes, pressão alta, ovários policísticos, ausência de menstruação, dificuldade de ter ou de manter ereção… Tudo isso pode ter sido causado ou agravado pela Obesidade. 
E eu estou citando apenas “por alto”, alguns dos efeitos da Obesidade no corpo de uma pessoa. O preconceito com a pessoa acometida pela Obesidade só piora a condição do doente. Sim!  Doente! Obesidade é doença, não tem cura e mata muito! Vamos respeitar essas pessoas? 
E que tal, tentar ajudar? Comece parando de julgar e já terá feito alguma coisa! 

O peso de um simples número

09 outubro 2019


Sei que é isto é apenas um número e que ninguém é “apenas” um número. 

Mas sei também o que é ser julgado e hostilizado, por causa de um número.

 Muito além disso, sei o que ele representa quando se trata de saúde. 

Física e emocional. 


A frase “você é mais que um padrão” é linda!! 

Triste é saber que em detrimento dos padrões impostos por uma sociedade hipócrita e medíocre, o que está em questão é a vida de alguém. 


Alguém que sofre com uma doença que embora cresça a cada dia, ainda é vista como desleixe, preguiça e até safadeza. (odeio todos esses adjetivos)

Este número pra mim, significa que por quase uma década, tenho conseguido vencer a luta contra a minha doença. Através da cirurgia bariátrica. 

Através dos meus esforços diários. Apesar de uma sociedade que oprime o obeso, mas questiona a única forma de tratamento que a mantém sob controle.

 Sociedade doente, que na era da informação insiste em se manter desinformada e sem a menor pretensão de se colocar no lugar do outro.

#maisempatia #lugardooutro





















Sempre em frente

07 outubro 2019

Os dias escorrem silenciosos enquanto eu me divido entre planos, pesquisas, estudos e preparativos, momentos de euforia, momentos de ansiedade, exercícios de paciência e as tarefas de um cotidiano que ainda não pode ser deixado para trás. As mudanças previstas para este ano e também aquelas para as quais foram lançadas as sementes, mas que só devem dar frutos a longo prazo, já estão afetando o meu dia a dia. Aquele momento em que percebo que estou com os pés no ponto exato. Mais um passo e estarei dentro de um redemoinho de onde só poderei sair para encontrar tudo mudado. De uma maneira ou de outra. É bom ter planos novamente. É bom sentir que estou caminhando. Que estou seguindo em frente.

NOITE ADENTRO

06 outubro 2019



 Às vezes a euforia interior me faz pensar, pensar e simplesmente não conseguir desligar. Vontade de deitar, me aconchegar no travesseiro macio, no cobertor quente e simplesmente apagar. Adormorrer por horas e acordar no dia seguinte restaurada e pronta para o recomeço. Mas isto não faz parte do roteiro criativo de uma mente pensante como a minha, que é no silêncio da madrugada que se torna produtiva. Quando todos se vão é minha hora de chegar e os pensamentos desordenados, parecem brigar entre si para saírem da cabeça e ganharem forma no papel. Aliás, há muito não escrevo no papel! Digito vorazmente como se a penumbra e o silêncio do quarto fossem o combustível para as palavras. De fundo, o tic tac do relógio que até inspira. Quem escreve quer ser lido, mas as vezes sinto que transformar os sentimentos em textos que possam ser analisados depois por mim mesma, foi a forma que meu inconsciente encontrou para organizar os pensamentos. Devaneios, divagações, uma Lu que eu mesma às vezes desconheço, se revela a mim quando meus dedos encontram o teclado ou uma 'caneta e um pedaço de papel' como outrora já fazia. Meu silêncio. É a parte mais barulhenta em mim e ouví-lo,  me faz bem. Talvez este lado ainda tão desconhecido seja o melhor em mim… Não sei. Só sei que noite adentro, mais uma vez aqui estou em um momento íntimo e particular de auto conhecimento. E sentimentos contraditórios… 

Hoje eu escrevi uma reflexão, com muito amor...

26 setembro 2019



Reflexão pra nós...



O respeito ao outro, ao diferente, a aceitação ao que não é tão comum. Atitudes simples, que deveriam fazer parte da essência do ser humano. De todos. De cada um. Como em uma grande linha de montagem, onde cópias padronizadas pudessem se tornar exemplares únicos e individuais de uma mesma espécie. As maneiras como uma pessoa hostiliza a outra simplesmente pelo fato de se sentir superior, é algo assustadoramente cruel. Como podemos nos sentir superiores, se somos todos tão semelhantes? Que superioridade é essa, que torna infeliz aqueles a quem deveríamos ter como nossos iguais? O tempo todo em nossa vida somos marcados na semelhança e na diferença. São estas diferenças de cor, de crença, de raça e de pensamentos, que nos fazem ser quem somos, com características únicas que nos tornam singulares e especiais. A cor da pele, a textura do cabelo, o volume do corpo. São estes detalhes que colorem a vida.

Você já parou pra pensar em como poderia ser doloroso, se ouvisse as mesmas coisas que você diz ao outro? Já se imaginou sendo vítima das mesmas crueldades que te fazem sorrir e zombar do outro? Nossas atitudes refletem quem somos e o que fazemos, tem muito mais valor do que aquilo que dizemos. Vivemos em uma sociedade que não foi educada para conviver com as diferenças, onde ser igual tornou-se regra e aquele que não se encaixa, muitas vezes é excluído, deixado à margem. 

Mas não precisamos ser assim. Todos os dias ao acordar, temos a chance de fazer algo de bom. Podemos a cada amanhecer nos empenhar em inventar uma versão melhor de nós mesmos e semear amor onde quer que estejamos. Olhe para dentro de si mesmo, reveja conceitos, refaça planos. Mude o que te incomoda, mas não tente mudar o outro. 

A cada um cabe suas próprias escolhas. Aquele que usa sua energia para fazer o bem ao invés de espalhar o mal, está sempre com um sorriso no rosto e recebe de volta a gratidão. Seja grato. Deixe pra trás inseguranças, medos e incertezas. Às vezes é necessário encontrar em nós mesmos uma motivação que impulsiona a vida, para nos reconhecermos no outro e nos colocarmos no lugar do outro. Quando nos damos conta de que não existe ninguém melhor que ninguém, percebemos que é nas diferenças, que enfim nos igualamos e começamos a nos tornar pessoas realmente melhores. O desejo de superar o outro é mesquinho, pois somente quem consegue superar a si mesmo, tornando-se a  cada dia um pouco melhor do que o era no passado, conquista a sabedoria necessária para amadurecer e aceitar a si mesmo e ao próximo.


Avaliação e acompanhamento pré e pós cirurgia bariátrica

13 março 2019

Oi pessoal!!Acho  incrível a maneira como ainda me sinto tocada pela escrita. A academia toma praticamente todo o tempo. Fim de curso então... Posso dizer que minha vida tem se resumido em estudar, comer, dormir e continuar estudando. Leio muito, escrevo muito, durmo pouco e como, o necessário. Mas esta é a vida que amo e sempre quis! Nunca estive tão certa do que quero fazer pelo resto da minha vida. Psicóloga clínica especializada em avaliação e acompanhamento pré e pós bariátrica. Que nome gigante, não é mesmo? É o nome que define o que farei com todo o meu carinho e empenho, para ajudar os candidatos a essa mudança tão radical no estilo de vida.

Cirurgia bariátrica como já falei um milhão de vezes, nunca foi milagre e é um tratamento onde a adesão do paciente é peça fundamental . É comum ouvirmos ou mesmo convivermos com pessoas que operaram e tiveram recidiva de peso. De acordo com a literatura os aspectos psicológicos podem desestruturar o funcionamento biológico do indivíduo, em variadas proporções. Como a obesidade não é uma doença apenas física, não adianta tratar só do corpo. Devido às suas multidisciplinaridades de causas, devem ser múltiplas também as formas de enfrentamento. Por tudo o que tenho acompanhado desde que operei, cheguei a uma conclusão. Em maior proporção, quem recupera o peso eliminado ou desenvolve outro tipo de compulsão depois da cirurgia, são as pessoas que ao invés de passarem por um processo de avaliação e acompanhamento pré e pós cirúrgico, apenas passam por uma ou duas consultas psicológicas, com a finalidade de conseguir um laudo. 

Como tudo na vida tem um preço, o que se paga pelo despreparo pode ser alto demais. Sabendo disso, mas tento vivido o outro lado onde o desespero por emagrecer é muito grande, entendo perfeitamente o que os obesos sentem quando procuram a medida mais drástica de tratamento. Tento então compreender as motivações que levam o indivíduo a colocar até mesmo sua saúde em risco, para conseguir adiantar um pouco este evento tão sério. Com habilidades e competências adquiridas em cinco anos de graduação e investimentos que venho fazendo para uma formação sólida, em breve estarei pronta para auxiliar nesta, que é apenas uma, das várias etapas que constituem um processo bariátrico.

Bjooosssss

E até a próxima!

Mais um fim! Logo, mais um recomeço!

23 novembro 2018

Só vim mesmo para registrar que mais um semestre acadêmico está chegando ao fim!
Estou exausta, mas muito satisfeita por estar quase concluindo esta etapa!
Por aqui, no que diz respeito ao peso pós bariátrica, continuo firme e focada!
Já são praticamente oito anos de vida saudável e transformada. Atribuo este sucesso aos bons profissionais que me acompanham e claro, à minha dedicação e disciplina!
Beijo grande a vocês e que tenhamos bons encontros!

^
© Gastro Feliz |2014. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: Karina Enésio.
imagem-logo